Gestão de crises: o que fazer na prática?

 

Visualizar, prevenir, enfrentar. Crises sempre existirão. Se elas vão triunfar, depende de você

Nenhuma empresa está imune a momentos de crise envolvendo sua marca. Mesmo as mais cautelosas e atuantes no sentido de evitar esse tipo de problema podem ser pegas de surpresa.

Um acidente, uma catástrofe natural, um desvio de conduta de um colaborador, uma decisão governamental intempestiva, uma crise política no país, uma crise econômica. O que vai diferenciar as empresas fortes das fracas nesse quesito é a capacidade que cada uma vai ter de gerir e superar o momento crítico.

O enfrentamento de uma crise começa no cotidiano da empresa, precisa ser diário e sério. Gerenciar uma crise é, antes de tudo, trabalhar para evitá-la. Ao mesmo tempo, implementar na companhia procedimentos que permitam que os administradores prevejam cenários e se preparem para superar as turbulências.

Entrevistado pelo Administradores.com consultor Antônio Carlos de Matos cita Peter Drucker para explicar a essência da gestão de um negócio: “Há só uma definição válida do objetivo de um negócio: criar um cliente”. Isso traduz de maneira muito clara a visão que os gestores precisam na condução de uma política de prevenção e enfrentamento de crises.

Em momentos com esses, a criatividade é sempre um fator preponderante. Lembre-se: situações atípicas exigem atitudes excepcionais. Tentar resolver problemas que quebram a lógica tradicional de seu negócio com soluções triviais, muito provavelmente, não vai surtir efeitos.

Enfim, em resumo, a receita básica é seguir este fluxo: visualizar, prevenir, enfrentar. Crises sempre existirão. Se elas vão triunfar, depende de você.

http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/gestao-de-crises-o-que-fazer-na-pratica/112147/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *