Você é alvo fácil para golpes?

 

A cada 17 segundos, há uma tentativa de fraude no Brasil. Veja dicas de um ex-hacker para se proteger

 

Ao entregar o CARTÃO DE CRÉDITO para um pagamento, você presta atenção em toda transação?

Rasga recibos ou documentos com número do CPF antes de jogá-los no lixo?

No computador, clica em “sair” ao deixar a página do internet banking e não “x”?

 

Atitudes como essas aumentam as suas chances de escapar de fraudes identidade, que não são poucas.

O indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraudes mostra que uma tentativa de golpe é realizada a cada 17 segundos no País.

Apesar de empresários e investidores estarem mais expostos, qualquer pessoa pode se tornar alvo. Basta, por exemplo, perder um documento para dobrarem as chances de ser vítima de um golpe.

Com o documento, o fraudador pode abrir conta em Banco, comprar produtos, financiar bens ou usar o nome em empresas de fachada, que aplicam outros golpes. Criminosos podem ainda obter dados ao acessar seu computador ou smartphone e instalar vírus que chegam na forma de e-mails falsos.

Desconfie especialmente daqueles que oferecem grandes descontos para a compra de celulares e outros produtos.

“Os hackers também invadem sistemas públicos para conseguir dados pessoais. Há um mercado de compra e venda dessas informações na internet”, diz Daniel Nascimento, de 28 anos. Hoje consultor, Nascimento foi um dos hackers mais atuantes do País. Com 15 anos, invadiu servidores nacionais e estrangeiros, como os do Governo, e atacou a rede da TELEMAR, deixando a Região Nordeste sem internet por uma semana.

Em 2005 foi preso pela Polícia Federal na Operação Pontocom. Agora, Nascimento usa seu conhecimento para ajudar pessoas e empresas a se proteger dos ataques. Sua história virou livro e irá para o cinema em 2018.

 

Mas como se defender? Além de medidas simples de segurança, como usar senhas diferentes para cada serviço ou site e ter um antivírus atualizado, existem outros serviços que podem ajudar. O Serasa Antifraude, por exemplo, faz o monitoramento do seu CPF e avisa sobre qualquer alteração ou quando o documento é consultado.

Se a pessoa  já foi vítima de um golpe, isso pode acontecer de novo. “Grade parte das vítimas é formada por reincidentes, porque o criminoso pode ter instalado um vírus no computador”, diz Nascimento. O melhor a fazer é formatar o computador, trocar as senhas e, em casos de fraude bancária, bloquear contas e cartões.

 

Como evitar ciladas (Segundo o especialista Daniel Nascimento)

 

  • Cuidado com testes de Facebook e e-mails falsos. Eles podem ser usados para capturar dados
  • Não perca de vista documentos e cartões do banco quando solicitados, para que não sejam fotografados ou copiados
  • Cuidado com as redes wi-fi desconhecidas. Elas podem ter sido criadas para roubar seus dados.
  • No boleto confira a numeração antes de confirmar o pagamento. Vírus podem alterar o número mesmo após a digitação.
  • Use senhas diferentes para cada serviço e anote em papel, não no celular ou no computador
  • Não empreste notebook ou smartphone. Mesmo sem intenção, ele pode voltar com vírus.

 

Saiba mais: www.serasaconsumidor.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *